segunda-feira, 29 de novembro de 2010



Esta noite foi a mais fria e negra noite
em que eu me vi perdida.
Estivemos tão perto...tão perto e ainda assim
distantes como nunca estivemos antes.
Eu não consigo aceitar que você foi capaz
de mentir por tanto tempo e dessa forma
tão cruel e egoísta.


Mas acho que quem fez tudo errado fui eu.
Errei quando me apaixonei por você.
Quando acreditei cegamente em tudo o que me disse.
Errei quando depois de um ano resolvi
bater em tua porta.
Errei ao conhecer você.
Mas sabe esses foram os erros mais corretos que cometi.
Apesar da dor com que escrevo estas palavras
Apesar da dor que grita dentro de mim.
Não me arrependo de nada do que fiz.


Eu só queria ter te olhado nos olhos
por alguns instantes.
Ter ouvido sua voz...ter te tocado,ter te abraçado.
Eu só queria estar com você esta noite,
Mas você me virou as costas,
mas você se escondeu de mim.


Esta doendo aqui...profundamente.
Mas se gostas mesmo de mim me prova.
Antes que seja tarde.
Me prova que nada foi em vão.
Vem me buscar.Me leva em teus braços.
Me estende a tua mão.
Ou então trate de me esquecer,se é que
ainda lembras de mim e do que um dia
me disseste ser pra você.


                                              Mari Cavalcanti   28/11/2010

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Dust in the wind.



Um dia prometi pra mim mesma que eu nunca choraria.
Mas promessas são quebradas...
Um dia achei que eu nunca seria enganada.
E fui...
Um dia dormi e achei que não mais acordaria.
Estou aqui.


Com o tempo as coisas tendem a mudar.
Mentiras são desmascaradas.Verdades descobertas.
Promessas se quebram.Palavras são levadas pelo vento.
Outras precisavam mas nunca foram...nem serão proferidas.
Amores são esquecidos.
Corações são partidos ao meio,despedaçados....
Mas continuam batendo  intactos.
E a dor é só imaginária.
Feridas cicatrizam...cicatrizes desaparecem ou então
continuam lá pra nos lembrar do que gostariamos de esquecer.
O passado esta tão presente.
Meu presente á um minuto atrás agora é passado.
O presente a um minuto depois se tornou  futuro.
Coisas mudam constantemente.
O mundo não para pra dormir.
Nós paramos,isto é...quando não há nada que nos tire o sono.
O mundo gira...ele esta girando agora.
É dia lá...mas é noite aqui.


Medos serão superados??
Ou nunca serão vencidos??
Desejos são realizados.Ou pode ser que não.
Tornam-se poeira ao vento.
Nada é tão pra sempre quanto a sua não existência.
Nada é eterno.O eterno é só ficção.
Tudo nessa vida passa...passará.
Tudo dura o suficiente.
O necessário as vezes e as vezes não tanto quanto deveriam durar.
Pessoas são esquecidas.Pessoas são lembradas.
Algumas morrem...outras vivem.
Outras de fato nunca existiram.

Outras estão mortas,mas com os corações batendo.


Choramos,sorrimos....
Nós vivemos.
E no fim é tudo poeira ao vento.
O fim...é simplismente poeira ao vento.


                               Mari Cavalcanti   15/11/2010

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

I don't believe you.



Minha inspiração esta morrendo...
Eu já não sei sobre o que escrever.
Não sei o que pensar,nem sei se o devo fazer.
Estou cansada,tão cansada...


Acreditar no que me diz e ser enganada?
Ou duvidar e ser injusta?
Acreditar e ser feliz ?
Ou duvidar e sorrir pelo resto do verão?


Sabe.Estou meio perdida
neste labirinto de falsas ilusões 
de contínuas decepções
de contínuas lágrimas.


Meu mundo desaba cada vez 
que tento reconstruí-lo
Meu coração doi cada vez que
espero o telefone tocar.
Ele toca mas nunca é você.


Desistir de você me parece difícil
Diria até impossível,mas bem conveniente
e plausível diante das condições em
que me encontro.


Te esperaria por duas eternidades
Se eu fosse feita de aço,de pedra
ou qualquer outro material resistente.
Mas não...eu sou feita de carne,de sangue.
Eu sou feita de Vida.
Vida esta que vejo indo embora com minha lágrimas.


Cansei de praguejar aos ventos
De implorar aos céus
De desejar ao mar
Coisas que nunca me serão concedidas.


Te esperar é como esperar que borboletas
saiam da minha boca.
Te esperar é o mesmo que sentir calor no inverno.


Eu acredito em milagres.
Mas não acredito em você.
Não mais.



                                          Mari Cavalcanti.        08/11/2010

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

The end.



Olhos fechados.
Madrugada sombria.
Vozes que não calam.
Coração esta cansado de bater.
Mais uma vez lágrimas.
Novamente dor.


O vento na janela.
Vejo sangue ao meu redor.
Quero gritar,mas o grito esta trancado.
A chave eu perdi.
Quero abrir meus olhos
mas não tenho forças pra isso.
Quero me mexer
mas o frio me congelou aqui.


Tenho salvação?
Ou minha vida acabará aqui.
A morte de tudo o que acredito
levou-me embora.
Voltarei um dia?
Minha alma esta perdida
ou esquecida em algum lugar.
A encontrarei novamente?


Não tenho mais forças
pra pensar,nem sentir.
Acho que pra mim
este é meu FIM.


                                                   Mari Cavalcanti.             03/11//2010